Palavra Comum

Inicio/INFORMACIÓN/Palavra Comum

Entrevista | Wladimir Vaz: “A poesia deve amplificar vozes que por séculos foram forçadas a se calar”

2019-10-10T07:14:07+00:00 10 / 10 / 2019|Palavra Comum|

A Editora Urutau nasceu no Brasil (São Paulo) “no meio de atmosfera social propicia, numa explosão de debates à volta da poesia que engendrou o que é hoje a editora” assim conta o seu editor Wladimir Vaz. Nos cerca de 200 livros publicados, a imensa maioria de poesia, promove-se um diálogo intenso e constante com [...]

10 poemas de Adília César

2019-10-08T07:00:25+00:00 08 / 10 / 2019|Palavra Comum|

Adília César reside em Faro. Exerce actividade profissional como educadora de infância e formadora no âmbito da Didáctica das Expressões Artísticas, sendo Mestre em Teatro e Educação pela Universidade do Algarve. Publicou livros de poesia: O que se ergue do fogo (2016); Lugar-Corpo (2017); e O Tempo O Tempo (2019). Tem colaborações dispersas, nomeadamente: LÓGOS [...]

10 poemas de Renato Filipe Cardoso

2019-10-04T06:52:03+00:00 04 / 10 / 2019|Palavra Comum|

Renato Filipe Cardoso nasceu em Aveiro em 1971. Cursou Comunicação Social na Escola Superior de Jornalismo do Porto e Línguas e Literaturas Modernas — Português/Inglês na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Desde 1989, trabalhou cerca de 12 anos como jornalista em diários, foi crítico literário e musical, coordenou revistas e projectos jornalísticos e, [...]

Caderno Galego | Um longo tempo nos pulos do mar

2019-10-01T07:13:50+00:00 01 / 10 / 2019|Palavra Comum|

Um barco ao longe vem lembrar aquele fogo de juventude, uma pedra parecida, mas a carta é breve. Só queremos a letra de uma boca marinheira, universidade de sal a sal, sabes? Ter os nomes novos desta terra começada, golpes de luz e imaginações daqui. Esse vocabulário dos trabalhos locais, o tempo e maneira da [...]

Sobre “Teoria das Ruínas”

2019-09-27T16:08:49+00:00 27 / 09 / 2019|Palavra Comum|

A linguagem poética de Teoria das Ruínas, de Alfredo Ferreiro, lembra-me um rio: sempre a arrastar e a apagar tudo e, ao mesmo tempo, sempre pronta a receber todos os destroços, todos os reflexos humanos. Source: Palavra comum

6 poemas de Almudena Otero Villena

2019-09-26T06:58:34+00:00 26 / 09 / 2019|Palavra Comum|

  arquitectura vertical sucesión de pináculos movemento ascendente, elevándose, que agocha o medo ao baleiro que desafía a morte e a caída as regras da poética e a vertixe redundancia do teu nome encadeándome, cadea canle cruz, que me afoga […] Source: Palavra comum

8 poemas Manuella Bezerra de Melo

2019-09-24T06:27:35+00:00 24 / 09 / 2019|Palavra Comum|

Manuella Bezerra de Melo, nascida no Recife, Manuella é jornalista e escritora. Trabalhou como repórter, produtora, redatora, foi de ativista à dona de cafeteria, mas largou tudo porque faz mais sentido largar que segurar. A única coisa que leva na sacola é o Rio Capibaribe. Escreve nas horas vagas e quando atenção permite espasmos, poemas, [...]

Berska, praza de Lugo

2019-09-20T11:41:25+00:00 20 / 09 / 2019|Palavra Comum|

Comezo a dilucidar o que pasa cando a canción de Svreca remata. Despois seguirá habendo techno durante a media hora que estiven no berska da praza de lugo. Dilucidei porque ela colleu a mesma camiseta, a de nirvana e foi aí cando todo apareceu claro na miña mente. Source: Palavra comum

2 poemas de José António Lozano

2019-09-18T07:11:35+00:00 18 / 09 / 2019|Palavra Comum|

José António Lozano (1967, Corunha) É professor de Filosofia no ensino secundário. Foi finalista em 1988 do Prémio de poesia Nacional O Facho. Em 1989 publicou no livro coletivo Fogo Cruzado (AGaL), o relato "O pêndulo" sob o pseudónimo Jorge Mário Novais. Em 1993 foi prémio ex-aequo junto a Xavier Alcalá no certame de narrações [...]

Load More Posts